O QUE É SURDEZ?  



Surdez é o nome dado à impossibilidade e dificuldade de ouvir, podendo ter como causa vários fatores que podem ocorrer antes, durante ou após o nascimento. A deficiência auditiva pode variar de um grau leve a profunda, ou seja, a criança pode não ouvir apenas os sons mais fracos ou até mesmo não ouvir som algum. 

3 - OS NÚMEROS DA SURDEZ No Brasil No Brasil, estima-se que existam cerca de 15 milhões de pessoas com algum tipo de perda auditiva. 

No Censo de 2000, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 3,3% da população responderam ter algum problema auditivo. Aproximadamente 1% declarou ser incapaz de ouvir. 

No Maranhão, de acordo com levantamentos realizados pelo IBGE/2000, o número de surdos é de aproximadamente 200 mil pessoas, enquanto na ilha de São Luís Pais e familiares precisam saber o que fazer, afinal de contas um filho surdo não nasce com manual de instruções. Nosso objetivo é que o surdo conquiste sua total cidadania. O primeiro passo é a informação. 

O reconhecimento de uma língua própria, a LIBRAS já foi uma vitória. Você tem ideia do que é LIBRAS? 

Quero convidá-lo(a) a conhecer um pouco mais sobre surdez. Você vai ficar encantado(a) e ao mesmo tempo surpreso(a). 

2 - O QUE É SURDEZ? Surdez é o nome dado à impossibilidade e dificuldade de ouvir, podendo ter como causa vários fatores que podem ocorrer antes, durante ou após o nascimento. A deficiência auditiva pode variar de um grau leve a profunda, ou seja, a criança pode não ouvir apenas os sons mais fracos ou até mesmo não ouvir som algum. 

3 - OS NÚMEROS DA SURDEZ No Brasil No Brasil, estima-se que existam cerca de 15 milhões de pessoas com algum tipo de perda auditiva. No Censo de 2000, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 3,3% da população responderam ter algum problema auditivo. Aproximadamente 1% declarou ser incapaz de ouvir. No Maranhão, de acordo com levantamentos realizados pelo IBGE/2000, o número de surdos é de aproximadamente 200 mil pessoas, enquanto na ilha de São Luís foram registrados 27.922 surdos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 1,5% da população brasileira (2,25 milhões) é portadora de deficiência auditiva. 

Em 1998, havia 293.403 alunos, distribuídos da seguinte forma: 58% com problemas mentais; 13,8%, com deficiências múltiplas; 12%, com problemas de audição; 3,1% de visão; 4,5%, com problemas físicos; 2,4%, de conduta. Apenas 0,3% com altas habilidades ou eram superdotados e 5,9% recebiam "outro tipo de atendimento"(Sinopse Estatística da Educação Básica/Censo Escolar 1998, do MEC/INEP). 

No Brasil, empresas com mais de cem funcionários devem contratar 2% de pessoas com deficiência, com 201 a 500 funcionários - 3%, de 501 a 1000% - 4 % e de 1001 funcionários em diante, 5%. 

No Mundo Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que 10% da população mundial apresentam algum problema auditivo. Outros Números Enquanto a redução do processo de audição entre as mulheres se torna mais acentuado a partir dos 55 anos, após a menopausa, os homens começam a sofrer essa degradação, em média, já após os 30 anos de idade. Essa foi a conclusão de pesquisadores da Universidade de Dakota do Sul (Estados Unidos), após realizarem estudo que avaliou de que maneira a idade e o sexo interferem no processo auditivo. 

Casos de surdez podem ser evitados. Para isso é necessário que se tomem alguma precaução 

4 - PREVENÇÃO Para Quem Ainda Não Teve Filhos Se você pretende ter filhos, procure um médico. Ele vai pedir para que você faça alguns exames. Estes exames podem revelar doenças que nem mesmo você sabe que tem. Essas doenças podem ser tratadas, evitando complicações para o seu bebê. Uma das doenças que você não deve ter durante a gravidez é a rubéola. Ela pode causar surdez e outras deficiências à criança que vai nascer. Antes de engravidar a mulher deve ser vacinada contra rubéola. 

Consulte seu médico. Para Quem Está Grávida O principal conselho é sempre ter um médico acompanhando a sua gravidez. Faça o Pré-natal! Você estará assim diminuindo os riscos de seu filho ter surdez e outros problemas. As condições de saúde da mãe são importantes para se ter um filho saudável. Se a mãe tiver doenças, como por exemplo, pressão alta, diabetes, rubéola e etc., ou fazer uso de drogas e álcool, poderá causar danos no desenvolvimento da criança, inclusive a surdez. Não tome nenhum remédio sem a aprovação de seu médico. Seu bebê está crescendo e muitos remédios podem trazer sérios prejuízos a ele. 

Evite tirar radiografias! Se houver necessidade disso, conte ao médico ou ao dentista que está grávida, para que ele possa tomar os devidos cuidados. Informe-se se na sua cidade tem algum estabelecimento que realiza o "Teste da orelhinha". Esse exame 

4 - PREVENÇÃO Para Quem Ainda Não Teve Filhos Se você pretende ter filhos, procure um médico. Ele vai pedir para que você faça alguns exames. Estes exames podem revelar doenças que nem mesmo você sabe que tem. Essas doenças podem ser tratadas, evitando complicações para o seu bebê. Uma das doenças que você não deve ter durante a gravidez é a rubéola. Ela pode causar surdez e outras deficiências à criança que vai nascer. Antes de engravidar a mulher deve ser vacinada contra rubéola. Consulte seu médico. Para Quem Está Grávida O principal conselho é sempre ter um médico acompanhando a sua gravidez. Faça o Pré-natal! Você estará assim diminuindo os riscos de seu filho ter surdez e outros problemas. As condições de saúde da mãe são importantes para se ter um filho saudável. Se a mãe tiver doenças, como por exemplo, pressão alta, diabetes, rubéola e etc., ou fazer uso de drogas e álcool, poderá causar danos no desenvolvimento da criança, inclusive a surdez. Não tome nenhum remédio sem a aprovação de seu médico. Seu bebê está crescendo e muitos remédios podem trazer sérios prejuízos a ele. Evite tirar radiografias! Se houver necessidade disso, conte ao médico ou ao dentista que está grávida, para que ele possa tomar os devidos cuidados. Informe-se se na sua cidade tem algum estabelecimento que realiza o "Teste da orelhinha". Esse exame pode ser feito em recém-nascidos e detecta se o bebê tem algum problema de audição. Para Quem Já Teve Filhos Quem já teve filhos sabe a preocupação que traz qualquer doença. Quando esta doença deixa um defeito, é muito pior. Previna doenças que causem a surdez como meningite, sarampo e caxumba, entre outras. Vacine seu filho contra essas doenças e evite o contato com pessoas doentes. As dores de ouvido devem ser examinadas pelo médico, porque gripes e resfriados mal curados podem alterar a audição. Diante de qualquer anormalidade, consulte o médico. Ele vai ajudar a cuidar de seu filho evitando complicações. Cuidados Importantes Não use "cotonete" na parte de dentro do canal do ouvido, limpe somente a parte externa da orelha. Explique para seu filho que objetos como botões, tampinhas ou mesmo feijões, não devem ser colocados no ouvido, pois podem machucar e prejudicar sua audição.

Se Você Tem Um Bebê Fique Atenta(O) : 

•Ele se assusta com portas que batem? •Olha quando você chama? 

•Escuta a campainha da casa ou do telefone? Se ele não reage com esses sons, é sinal que não está ouvindo bem. Não deixe seu filho em lugares onde o barulho é muito forte. Evite brincadeiras com objetos barulhentos, como bombinhas, por exemplo. O excesso de barulho pode prejudicar a audição Fatores De Risco Qualquer bebê recém-nascido pode apresentar um problema auditivo no nascimento ou adquiri-lo nos primeiros anos de vida. 

Isto pode acontecer mesmo que não haja casos de surdez na família ou nenhum fator de risco aparente. Por isto peça ao pediatra para fazer o Teste da Orelhinha quando seu filho nascer. 

A audição começa a partir do 5º mês de gestação e se desenvolve intensamente nos primeiros meses de vida. Qualquer problema auditivo deve ser detectado ao nascer, pois os bebês que têm perda auditiva diagnosticada cedo e iniciam o tratamento até os 6 meses de idade apresentam desenvolvimento muito próximo ao de uma criança ouvinte. 

O diagnóstico após os 6 meses traz prejuízos inaceitáveis para o desenvolvimento da criança e sua relação com a família. Infelizmente, no Brasil, a idade média de diagnóstico da perda auditiva neurosensorial severa a profunda é muito tardia, em torno de 4 anos de idade. Lembre-se de que ouvir é fundamental para o desenvolvimento da fala e da linguagem. Se o exame não foi realizado no nascimento, faça-o agora. Procure o audiologista. Para O Bebê - 0 A 28 Dias

NÍVEIS DE SURDEZ 

Pelo decreto Nº3.298 De 20 de dezembro De 1999 Art.4º é considerada pessoa portadora de deficiência aquela que se enquadrar em uma das seguintes categorias: 

A) De 25 a 40 Decibéis - Surdez Leve 

B) De 41 a 55 Decibéis - Surdez Moderada 

C) De 56 a 70 Decibéis - Surdez Acentuada 

D) De 71 a 90 Decibéis - Surdez Severa 

E) De Acima de 91 Decibéis - Surdez Profunda Para O Adulto  

F) Anacusia

6 - COMUNICAÇÃO GESTUAL Existem várias formas de comunicação gestual : Português sinalizado; Libras; mímica; pantomima, alfabeto manual, comunicação total, bilinguismo e outros. Universalidade Ao contrário do que muitos pensam, a língua de sinais não é universal, nem mesmo a nível nacional existe uma padronização, inda mais em um país de grandes dimensões como o nosso. Em uma cidade como São Paulo podemos observar até certos "bairrismos". Grupos de surdos possuem sinais diferentes para uma mesma situação. 7 - LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS, ou Língua Brasileira de Sinais, é a língua materna dos surdos brasileiros e, como tal, poderá ser aprendida por qualquer pessoa interessada pela comunicação com essa comunidade. Como língua, esta é composta de todos os componentes pertinentes às línguas orais, como gramática semântica, pragmática sintaxe e outros elementos, preenchendo, assim, os requisitos científicos para ser considerada instrumental linguístico de poder e força. Possui todos os elementos classificatórios identificáveis de uma língua e demanda de prática para seu aprendizado, como qualquer outra língua. Foi na década de 60 que as línguas de sinais foram estudadas e analisadas, passando então a ocupar um status de língua. É uma língua viva e autônoma, reconhecida pela linguística. Pesquisas com filhos F) Anacusia 6 - COMUNICAÇÃO GESTUAL Existem várias formas de comunicação gestual : Português sinalizado; Libras; mímica; pantomima, alfabeto manual, comunicação total, bilinguismo e outros. Universalidade Ao contrário do que muitos pensam, a língua de sinais não é universal, nem mesmo a nível nacional existe uma padronização, inda mais em um país de grandes dimensões como o nosso. Em uma cidade como São Paulo podemos observar até certos "bairrismos". Grupos de surdos possuem sinais diferentes para uma mesma situação. 7 - LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS, ou Língua Brasileira de Sinais, é a língua materna dos surdos brasileiros e, como tal, poderá ser aprendida por qualquer pessoa interessada pela comunicação com essa comunidade. Como língua, esta é composta de todos os componentes pertinentes às línguas orais, como gramática semântica, pragmática sintaxe e outros elementos, preenchendo, assim, os requisitos científicos para ser considerada instrumental linguístico de poder e força. Possui todos os elementos classificatórios identificáveis de uma língua e demanda de prática para seu aprendizado, como qualquer outra língua. Foi na década de 60 que as línguas de sinais foram estudadas e analisadas, passando então a ocupar um status de língua. É uma língua viva e autônoma, reconhecida pela linguística. Pesquisas com filhos surdos de pais surdos estabelecem que a aquisição precoce da Língua de Sinais dentro do lar é um benefício e que esta aquisição contribui para o aprendizado da língua oral como Segunda língua para os surdos. Os estudos em indivíduos surdos demonstram que a Língua de Sinais apresenta uma organização neural semelhante à língua oral, ou seja, que esta se organiza no cérebro da mesma maneira que as línguas faladas. A Língua de Sinais apresenta, por ser uma língua, um período crítico precoce para sua aquisição, considerando-se que a forma de comunicação natural é aquela para o qual o sujeito está mais bem preparado, levando-se em conta a noção de conforto estabelecido diante de qualquer tipo de aquisição na tenra idade.

8 - CONSELHOS ÚTEIS NO APRENDIZADO E USO DA LIBRAS * Estude o material recebido, sempre que possível, com a presença de uma pessoa surda. * O estudo em grupo poderá facilitar o aprendizado, bem como o estímulo individual. * Para que um sinal seja produzido corretamente, é necessário observar: configuração de mão, ponto de articulação, movimento e expressão. * Focalize o rosto do usuário da LIBRAS, não as mãos. Como usuário da LIBRAS, você aprenderá a ampliar seu campo visual. * Caso não encontre um sinal para uma determinada palavra, lembre-se de que somente a comunidade surda poderá criá-lo.

* Certifique-se de que haja claridade suficiente no momento da conversa em LIBRAS. * Não tenha receio de sinalizar e errar. O erro faz parte do processo de aprendizagem. * Pode ser que em sua cidade, devido ao regionalismo, os surdos utilizem alguns sinais diferentes para a mesma palavra. Caso isto ocorra, busque conhecê-los também com o próprio surdo. * Nem sempre você encontrará um sinal que signifique exatamente a palavra que deseja empregar. Caso isso ocorra, procure um sinal que mais se aproxime. EX.: Confeccionar (fazer - sinal em LIBRAS). * Os termos técnicos, possivelmente, não terão sinais específicos que os represente exatamente. Portanto, é recomendável digitá-lo para o surdo e tentar "interpretá-lo", até que ele, entendendo o contexto, crie o sinal correspondente. * Informe aos surdos sobre o que acontece ao seu redor. * Procure dar ao surdo o máximo de informações visuais. Ex.: campainha luminosa para início e término de qualquer atividade. * Se você quiser chamar a atenção de um surdo, procure tocá-lo no ombro se estiver próximo, ou acene com os braços se estiver distante. * O contato com a comunidade surda é fundamental nesse processo de aprendizado da língua, pois além do grande exercício que se pode fazer, é uma preciosa oportunidade de se conhecer também a cultura dessa comunidade. * Sugerimos aos participantes que desejem aprofundar-se no estudo da LIBRAS que entrem em contato com as associações e federações de surdos locais e regionais, cujos contatos poderão ser obtidos na FENEIS - Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos no seguinte endereço eletrônico: feneis@ruralrj.com.br. 9 - ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA LIBRAS Variações Linguísticas Na maioria do mundo, há, pelo menos, uma língua de sinais usada amplamente na comunidade surda de cada país, diferente daquela da língua falada utilizada na mesma área geográfica. Isto se dá porque essas línguas são independentes das línguas orais, pois foram produzidas dentro das comunidades surdas. A Língua de Sinais Americana (ASL) é diferente da Língua de Sinais Britânica (BSL), que difere, por sua vez, da Língua de Sinais Francesa (LSF).

Além disso, dentro de um mesmo país há as variações regionais. A LIBRAS apresenta dialetos regionais, salientando assim, uma vez mais, o seu caráter de língua natural. Variação Regional Representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Variação Social Refere-se à variações na configuração das mãos e/ou no movimento, não modificando o sentido do sinal. Mudanças Históricas Com o passar do tempo, um sinal pode sofrer alterações decorrentes dos costumes da geração que o utiliza. I

10 - ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE 

A modalidade gestual-visual-espacial pela qual a LIBRAS é produzida e percebida pelos surdos leva, muitas vezes, as pessoas a pensarem que todos os sinais são o "desenho" no ar do referente que representam. É claro que, por decorrência de sua natureza lingüística, a realização de um sinal pode ser motivada pelas características do dado da realidade a que se refere, mas isso não é uma regra. A grande maioria dos sinais da LIBRAS são arbitrários, não mantendo relação de semelhança alguma com seu referente.

Vejamos alguns exemplos entre os sinais icônicos e arbitrários. Sinais Icônicos Uma foto é icônica porque reproduz a imagem do referente, isto é, a pessoa ou coisa fotografada. Assim também são alguns sinais da LIBRAS, gestos que fazem alusão à imagem do seu significado. Isso não significa que os sinais icônicos são iguais em todas as línguas. Cada sociedade capta facetas diferentes do mesmo referente, representadas através de seus próprios sinais, convencionalmente, (FERREIRA BRITO, 1993) conforme os exemplos abaixo: LIBRAS - representa o tronco usando o antebraço e a mão aberta, as folhas em movimento. LSC (Língua de Sinais Chinesa) - representa apenas o tronco da árvore com as duas mãos (os dedos, indicador e polegar, ficam abertos e curvos).

Sinais Arbitrários 

São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o dado da realidade que representam. Uma das propriedades básicas de uma língua é a arbitrariedade existente entre significante e referente. Durante muito tempo afirmou-se que as línguas de sinais não eram línguas por serem icônicas, não representando, portanto, conceitos abstratos. Isto não é verdade, pois em língua de sinais tais conceitos também podem ser representados, em toda sua complexidade. 

11 - ESTRUTURA GRAMATICAL 

Aspectos Estruturais A LIBRAS têm sua estrutura gramatical organizada a partir de alguns parâmetros São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o dado da realidade que representam. Uma das propriedades básicas de uma língua é a arbitrariedade existente entre significante e referente. Durante muito tempo afirmou-se que as línguas de sinais não eram línguas por serem icônicas, não representando, portanto, conceitos abstratos. Isto não é verdade, pois em língua de sinais tais conceitos também podem ser representados, em toda sua complexidade. 

ESTRUTURA GRAMATICAL 

Aspectos Estruturais A LIBRAS têm sua estrutura gramatical organizada a partir de alguns parâmetros que estruturam sua formação nos diferentes níveis linguísticos. Três são seus parâmetros principais ou maiores: a Configuração da(s) mão(s)-(CM), o Movimento - (M) e o Ponto de Articulação - (PA); e outros três constituem seus parâmetros menores: Parâmetros Principais Os parâmetros principais são: a) configuração da mão (CM) b) ponto de articulação (PA) c) movimento (M) a) Configuração da mão (CM): é a forma que a mão assume durante a realização de um sinal. Pelas pesquisas linguísticas, foi comprovado que na LIBRAS existem 43 configurações das mãos (Quadro I), sendo que o alfabeto manual utiliza apenas 26 destas para representar as letras.

Quadro I As 46 Configurações De Mão Da Libras 

b) Ponto de articulação (PA): é o lugar do corpo onde será realizado o sinal. 

c) Movimento (M): é o deslocamento da mão no espaço, durante a realização do sinal. I 

Direcionalidade Do Movimento a) Unidirecional: movimento em uma direção no espaço, durante a realização de um sinal. Ex.: PROIBIDO, SENTAR, MANDAR. b) Bidirecional: movimento realizado por uma ou ambas as mãos, em duas direções diferentes. Ex.: PRONTO, JULGAMENTO, GRANDE, COMPRIDO, DISCUTIR, EMPREGADO, PRIMO, TRABALHAR, BRINCAR. c) Multidirecional: movimentos que exploram várias direções no espaço, durante a realização de um sinal. Ex.: INCOMODAR, PESQUISAR. A) Movimento Retilíneo: B) Movimento Helicoidal: C) Movimento Circular: D) Movimento Semicircular: E) Movimento Sinuoso: F) Movimento Angular:

Parâmetros Secundários a) Disposição das mãos: a realização dos sinais na LIBRAS pode ser feito com a mão dominante ou por ambas as mãos. Ex.: BURRO, CALMA, DIFERENTE, SENTAR, SEMPRE, OBRIGADO. b) Orientação das mãos: direção da palma da mão durante a execução do sinal da LIBRAS, para cima, para baixo, para o lado, para a frente, etc. Também pode ocorrer a mudança de orientação durante a execução de um sinal. Ex.: MONTANHA, BAIXO, FRITAR. c) Região de contato: a mão entra em contato com o corpo, através do: Toque: MEDO, ÔNIBUS, CONHECER. 

Duplo toque: FAMÍLIA, SURDO, SAÚDE. Risco: OPERAR, JOSÉ (nome bíblico), PESSOA. Deslizamento: CURSO, EDUCADO, LIMPO, GALINHA. Componentes Não Manuais Além desses parâmetros, a LIBRAS conta com uma série de componentes não manuais, como a expressão facial ou o movimento do corpo, que muitas vezes podem definir ou diferenciar significados entre sinais. A expressão facial e corporal pode traduzir alegria, tristeza, raiva, amor, encantamento, etc., dando mais sentido a LIBRAS e, em alguns casos, determinando o significado de um sinal. Exemplo O dedo indicador em [G] sobre a boca, com a expressão facial calma e serena, significa silêncio; o mesmo sinal usado com um movimento mais rápido e com a expressão de zanga significa uma severa ordem: Cale a boca, A mão aberta, com o movimento lento e com expressão serena, significa calma; o mesmo sinal com movimento brusco e com expressão séria significa pára. Em outros casos, utilizamos a expressão facial e corporal para negar, afirmar, duvidar, questionar, etc 

Sinais Faciais Em algumas ocasiões, o sinal convencional é modificado, sendo realizado na face, disfarçadamente. Exemplos: ROUBO, ATO-SEXUAL. 12 - ESTRUTURA SINTÁTICA A LIBRAS não pode ser estudada tendo como base a Língua Portuguesa, porque ela tem gramática diferenciada, independente da língua oral. A ordem dos sinais na construção de um enunciado obedece a regras próprias que refletem a forma de o surdo processar suas idéias, com base em sua percepção visual-espacial da realidade. Vejamos alguns exemplos que demonstram exatamente essa independência sintática do português: Exemplo 1: LIBRAS: EU IR CASA. (verbo direcional) Português: "Eu irei para casa." Para - não se usa em LIBRAS, porque está incorporado ao verbo. Image Sinais Faciais Em algumas ocasiões, o sinal convencional é modificado, sendo realizado na face, disfarçadamente. Exemplos: ROUBO, ATO-SEXUAL. 12 - ESTRUTURA SINTÁTICA A LIBRAS não pode ser estudada tendo como base a Língua Portuguesa, porque ela tem gramática diferenciada, independente da língua oral. A ordem dos sinais na construção de um enunciado obedece a regras próprias que refletem a forma de o surdo processar suas idéias, com base em sua percepção visual-espacial da realidade. Vejamos alguns exemplos que demonstram exatamente essa independência sintática do português: Exemplo 1: LIBRAS: EU IR CASA. (verbo direcional) Português: "Eu irei para casa." Para - não se usa em LIBRAS, porque está incorporado ao verbo. Exemplo 2: LIBRAS: FLOR EU-DAR MULHER^BENÇÃO (verbo direcional) Português: "Eu dei a flor para a mamãe." Exemplo 3: LIBRAS: PORQUE ISTO (expressão facial de interrogação) Português: "Para que serve isto?" Exemplo 4: LIBRAS: IDADE VOCÊ (expressão facial de interrogação) Português: "Quantos anos você tem?" Há alguns casos de omissão de verbos na LIBRAS: Exemplo 5: LIBRAS: CINEMA O-P-I-A-N-O MUITO-BOM Português: "O filme O Piano é maravilhoso!" Exemplo 6: LIBRAS: PORQUE PESSOA FELIZ-PULAR Português: "... porque as pessoas estão felizes demais!" Exemplo 7: LIBRAS: PASSADO COMEÇAR FÉRIAS EU VONTADE... DEPRESSA VIAJAR Português: "Quando chegaram as férias, eu fiquei ansiosa para viajar." Observação: na estruturação da LIBRAS observa-se que a mesma possui regras próprias; não são usados artigos, preposições, conjunções, porque esses conectivos estão incorporados ao sinal. 13 - SISTEMA PRONOMINAL I a) Pronomes pessoais: a LIBRAS possui um sistema pronominal para representar as seguintes pessoas do discurso: Exemplo 2: LIBRAS: FLOR EU-DAR MULHER^BENÇÃO (verbo direcional) Português: "Eu dei a flor para a mamãe." Exemplo 3: LIBRAS: PORQUE ISTO (expressão facial de interrogação) Português: "Para que serve isto?" Exemplo 4: LIBRAS: IDADE VOCÊ (expressão facial de interrogação) Português: "Quantos anos você tem?" Há alguns casos de omissão de verbos na LIBRAS: Exemplo 5: LIBRAS: CINEMA O-P-I-A-N-O MUITO-BOM Português: "O filme O Piano é maravilhoso!" Exemplo 6: LIBRAS: PORQUE PESSOA FELIZ-PULAR Português: "... porque as pessoas estão felizes demais!" Exemplo 7: LIBRAS: PASSADO COMEÇAR FÉRIAS EU VONTADE... DEPRESSA VIAJAR Português: "Quando chegaram as férias, eu fiquei ansiosa para viajar." Observação: na estruturação da LIBRAS observa-se que a mesma possui regras próprias; não são usados artigos, preposições, conjunções, porque esses conectivos estão incorporados ao sinal. 13 - SISTEMA PRONOMINAL I a) Pronomes pessoais: a LIBRAS possui um sistema pronominal para representar as seguintes pessoas do discurso: * No singular, o sinal para todas as pessoas é o mesmo CM[G], o que diferencia uma das outras é a orientação das mãos; * Dual: a mão ficará com o formato de dois, CM [K] ou [V]; * Trial: a mão assume o formato de três, CM [W]; * Quatrial: o formato será de quatro, CM [54]; * Plural: há dois sinais: - Sinal composto (pessoa do discurso no singular + grupo). - Configuração da mão [Gd] fazendo um círculo (nós). Primeira Pessoa Singular: EU - apontar para o peito do enunciador (a pessoa que fala).

Segunda Pessoa Singular: 

VOCÊ - apontar para o interlocutor (a pessoa com quem se fala). 

Terceira Pessoa Singular: ELE - apontar para uma pessoa que não está na conversa ou para um lugar convencional.

Quando se quer falar de uma terceira pessoa presente, mas deseja-se ser discreto, por educação, não se aponta para essa pessoa diretamente. Ou se faz um sinal com os olhos e um leve movimento de cabeça em direção à pessoa mencionada ou aponta-se para a palma da mão (voltada para a Direção onde se encontra a pessoa referida). b) Pronomes demonstrativos: na LIBRAS os pronomes demonstrativos e os advérbios de lugar tem o mesmo sinal, sendo diferenciados no contexto. Configuração de mão [G] ESTE / AQUI - olhar para o lugar apontado, perto da 1ª pessoa. ESSE / AÍ - olhar para o lugar apontado, perto da 2ª pessoa. AQUELE / LÁ - olhar para o lugar distante apontado. Tipos De Referentes Image not found https://material-de-estudo.wreducacional.com.br/img_apostilas//basico-de-libras/12_11.png Quando se quer falar de uma terceira pessoa presente, mas deseja-se ser discreto, por educação, não se aponta para essa pessoa diretamente. Ou se faz um sinal com os olhos e um leve movimento de cabeça em direção à pessoa mencionada ou aponta-se para a palma da mão (voltada para a Direção onde se encontra a pessoa referida). b) Pronomes demonstrativos: na LIBRAS os pronomes demonstrativos e os advérbios de lugar tem o mesmo sinal, sendo diferenciados no contexto. Configuração de mão [G] ESTE / AQUI - olhar para o lugar apontado, perto da 1ª pessoa. ESSE / AÍ - olhar para o lugar apontado, perto da 2ª pessoa. AQUELE / LÁ - olhar para o lugar distante apontado. Tipos De Referentes - Referentes presentes. Ex.: EU, VOCÊ, ELE... - Referentes ausentes com localizações reais. Ex.: RECIFE, PREFEITURA, EUROPA... - Referentes ausentes sem localização. c) Pronomes possessivos: também não possuem marca para gênero e estão relacionados às pessoas do discurso e não à coisa possuída, como acontece em Português: EU: MEU IRMÃO (CM [5] batendo no peito do emissor) VOCÊ: TEU AMIGO (CM [K] movimento em direção à pessoa referida) ELE / ELA: SEU NAMORADO (CM [K] movimento em direção à pessoa referida) Observação: para os possessivos no dual, trial, quadrial e plural (grupo) são usados os pronomes pessoais correspondentes. d) Pronomes interrogativos: os pronomes interrogativos QUE, QUEM e ONDE se caracterizam, essencialmente, pela expressão facial interrogativa feita simultaneamente ao pronome. QUE / QUEM: usados no início da frase. (CM [bO]. QUEM: com o sentido de quem é e quem é são mais usados no final da frase. QUANDO: a pergunta com quando está relacionada a um advérbio de tempo (hoje, amanhã, ontem) ou a um dia de semana específico.

14 - SISTEMA PRONOMINAL II - Referentes presentes. Ex.: EU, VOCÊ, ELE... - Referentes ausentes com localizações reais. Ex.: RECIFE, PREFEITURA, EUROPA... - Referentes ausentes sem localização. c) Pronomes possessivos: também não possuem marca para gênero e estão relacionados às pessoas do discurso e não à coisa possuída, como acontece em Português: EU: MEU IRMÃO (CM [5] batendo no peito do emissor) VOCÊ: TEU AMIGO (CM [K] movimento em direção à pessoa referida) ELE / ELA: SEU NAMORADO (CM [K] movimento em direção à pessoa referida) Observação: para os possessivos no dual, trial, quadrial e plural (grupo) são usados os pronomes pessoais correspondentes. d) Pronomes interrogativos: os pronomes interrogativos QUE, QUEM e ONDE se caracterizam, essencialmente, pela expressão facial interrogativa feita simultaneamente ao pronome. QUE / QUEM: usados no início da frase. (CM [bO]. QUEM: com o sentido de quem é e quem é são mais usados no final da frase. QUANDO: a pergunta com quando está relacionada a um advérbio de tempo (hoje, amanhã, ontem) ou a um dia de semana específico. 14 - SISTEMA PRONOMINAL II ELE VIAJAR RIO QUANDO-PASSADO (interrogação) ELE VIAJAR RIO QUANDO-FUTURO (interrogação) EU CONVIDAR VOCÊ VIR MINHA ESCOLA. VOCÊ PODER D-I-A (interrogação) QUE-HORAS? / QUANTAS-HORAS? Para se referir às horas aponta-se para o pulso e relaciona-se o numeral para a quantidade desejada. CURSO COMEÇAR QUE-HORAS AQUI (interrogação). Resposta: CURSO COMEÇAR HORAS DUAS. Para se referir a tempo gasto na realização de uma atividade, sinaliza-se um círculo ao redor do rosto, seguido da expressão facial adequada. Exemplo: VIAJAR RIO-DE-JANEIRO QUANTAS-HORAS (interrogação). POR QUE / PORQUE Como não há diferença entre ambos, o contexto é que sugere, através das expressões faciais e corporais, quando estão sendo usados em frases interrogativas ou explicativas. e) Pronomes indefinidos: NINGUÉM (igual ao sinal acabar): usado somente para pessoa; NINGUÉM / NADA (1) (mãos abertas esfregando-se uma na outra): é usado para pessoas e coisas; ELE VIAJAR RIO QUANDO-PASSADO (interrogação) ELE VIAJAR RIO QUANDO-FUTURO (interrogação) EU CONVIDAR VOCÊ VIR MINHA ESCOLA. VOCÊ PODER D-I-A (interrogação) QUE-HORAS? / QUANTAS-HORAS? Para se referir às horas aponta-se para o pulso e relaciona-se o numeral para a quantidade desejada. CURSO COMEÇAR QUE-HORAS AQUI (interrogação). Resposta: CURSO COMEÇAR HORAS DUAS. Para se referir a tempo gasto na realização de uma atividade, sinaliza-se um círculo ao redor do rosto, seguido da expressão facial adequada. Exemplo: VIAJAR RIO-DE-JANEIRO QUANTAS-HORAS (interrogação). POR QUE / PORQUE Como não há diferença entre ambos, o contexto é que sugere, através das expressões faciais e corporais, quando estão sendo usados em frases interrogativas ou explicativas. e) Pronomes indefinidos: NINGUÉM (igual ao sinal acabar): usado somente para pessoa; NINGUÉM / NADA (1) (mãos abertas esfregando-se uma na outra): é usado para pessoas e coisas; NENHUM (1) / NADA (2) (CM [F] balança-se a mão) é usado para pessoas e coisas e pode ter o sentido de "não ter"; NENHUM (2) / POUQUINHO (CM [F] palma da mão virada para cima): é um reforço para a frase negativa e pode vir após NADA. 15 - TIPOS DE VERBOS a) Verbos direcionais - verbos que possuem marca de concordância. A direção do movimento, marca no ponto inicial o sujeito e no final o objeto.

b) Verbos não direcionais: verbos que não possuem marca de concordância. Quando se faz uma frase é como se eles ficassem no infinitivo. Os verbos não direcionais aparecem em duas subclasses: - Ancorados no corpo: são verbos realizados com contato muito próximo do corpo. Podem ser verbos de estado cognitivo, emotivo ou experienciais, como: pensar, entender, gostar, duvidar, odiar, saber; e verbos de ação, como: conversar, pagar, falar. - Verbos que incorporam o objeto: quando o verbo incorpora o objeto, alguns parâmetros modificam-se para especificar as informações.

16 - TIPOS DE FRASES I Para produzirmos uma frase em LIBRAS nas formas afirmativa, exclamativa, interrogativa, negativa ou imperativa é necessário estarmos atentos às expressões faciais e corporais a serem realizadas, simultaneamente, às mesmas. -Afirmativa: a expressão facial é neutra.

-Interrogativa: sobrancelhas franzidas e um ligeiro movimento da cabeça, inclinando-se para cima. -Exclamativa: sobrancelhas levantadas e um ligeiro movimento da cabeça inclinando-se para cima e para baixo. -Forma negativa: a negação pode ser feita através de três processos: a) incorporando-se um sinal de negação diferente do afirmativo: b) realizando-se um movimento negativo com a cabeça, simultaneamente à ação que está sendo negada. c) acrescida do sinal NÃO (com o dedo indicador) à frase afirmativa. Observação: em algumas ocasiões podem ser utilizados dois tipos de negação ao mesmo tempo.

-Imperativa: Saia! Cala a boca! Vá embora! Noções Temporais Quando se deseja especificar as noções temporais, acrescentamos sinais que informam o tempo presente, passado ou futuro, dentro da sintaxe da LIBRAS.

Classificadores Um classificador (Cl) é uma forma que estabelece um tipo de concordância em uma língua. Na LIBRAS, os classificadores são formas representadas por configurações de mão que, substituindo o nome que as precedem, podem vir junto de verbos de movimento e de localização para classificar o sujeito ou o objeto que está ligado à ação do verbo. Portanto, os classificadores na LIBRAS são marcadores de concordância de gênero para pessoas, animais ou coisas. São muito importantes, pois ajudam construir sua estrutura sintática, através de recursos corporais que possibilitam relações gramaticais altamente abstratas. Muitos classificadores são icônicos em seu significado pela semelhança entre a sua forma ou tamanho do objeto a ser referido. Às vezes o Cl refere-se ao objeto ou ser como Classificadores Um classificador (Cl) é uma forma que estabelece um tipo de concordância em uma língua. Na LIBRAS, os classificadores são formas representadas por configurações de mão que, substituindo o nome que as precedem, podem vir junto de verbos de movimento e de localização para classificar o sujeito ou o objeto que está ligado à ação do verbo. Portanto, os classificadores na LIBRAS são marcadores de concordância de gênero para pessoas, animais ou coisas. São muito importantes, pois ajudam construir sua estrutura sintática, através de recursos corporais que possibilitam relações gramaticais altamente abstratas. Muitos classificadores são icônicos em seu significado pela semelhança entre a sua forma ou tamanho do objeto a ser referido. Às vezes o Cl refere-se ao objeto ou ser como um todo, outras refere-se apenas a uma parte ou característica do ser. (FERREIRA BRITO, 1995) Exemplo LIBRAS - CARRO BATER POSTE Cl Verbo em Cl movimento Português - "O carro bateu no poste." LIBRAS - PRATOS-EMPILHADOS Cl Verbo em localização Português - "Os pratos estão empilhados" Tipos De Classificadores


17 - TIPOS DE FRASES II Exemplo 

b) Quanto ao modo de segurar certos objetos: Cl: [F] - objetos pequenos e finos (botões, moedas, palitos de fósforos, asa de xícara); Cl: [H] - segurar cigarro; Cl: [C] - copos e vasos; Cl: [As] - buque de flores, faca, carimbo, sacola, mala, guarda-chuva, caneca ou chopp, pedaço de pau, etc. (funciona como parte do verbo e representa o objeto que se moveu ou é localizado). Role-Play Este é um recurso muito usado na LIBRAS quando os surdos estão desenvolvendo a narrativa. O sinalizador coloca-se na posição dos personagens referidos na narrativa, b) Quanto ao modo de segurar certos objetos: Cl: [F] - objetos pequenos e finos (botões, moedas, palitos de fósforos, asa de xícara); Cl: [H] - segurar cigarro; Cl: [C] - copos e vasos; Cl: [As] - buque de flores, faca, carimbo, sacola, mala, guarda-chuva, caneca ou chopp, pedaço de pau, etc. (funciona como parte do verbo e representa o objeto que se moveu ou é localizado). Role-Play Este é um recurso muito usado na LIBRAS quando os surdos estão desenvolvendo a narrativa. O sinalizador coloca-se na posição dos personagens referidos na narrativa, alternando com eles em situações de diálogo ou ação. Formação De Palavras Como já vimos anteriormente, na LIBRAS os sinais são formados a partir de parâmetros principais e secundários e através de alguns componentes não-manuais. Há, também, uma série de outros sinais que são formados por processos de derivação, composição ou empréstimos do português. Vejamos alguns exemplos: Sinais compostos: da mesma forma que no português, teremos compostos de palavras no qual um elemento será o principal- o núcleo e um elemento o especificador- o adjunto. É interessante observar, que na LIBRAS a estrutura não será apenas binária e, neste caso, teremos dois ou mais elementos especificadores de uma palavra-núcleo.

Em alguns casos, quando ao sinal acrescenta-se outro, o mesmo passa a ter outro significado. 

a) Sinais compostos com formatos: há execução de um sinal convencional com acréscimo de outro sinal na "forma" do objeto que se quer especificar. 

b) Sinais compostos por categorias: para classificar um sinal por categoria ou por grupo, acrescentamos à palavra-núcleo o sinal VARIADOS.

Gênero (feminino / masculino): é interessante observar que não há flexão de gênero em LIBRAS, os substantivos e adjetivos são, em geral, não marcados. Entretanto, quando se quer explicitar substantivos dentro de determinados contextos, a indicação de sexo é feita pospondo-se o sinal "HOMEM/MULHER", indistintamente, para pessoas e animais, ou a indicação é obtida através de sinais diferentes para um e para outro sexo:

Adjetivos, artigos, pronomes e numerais não apresentam flexão de gênero, apresentando-se em forma neutra. Esta forma neutra está representada pelo símbolo @. Ex.: AMIG@, FRI@, MUIT@, CACHORR@, SOLTEIR@ Adjetivos: são sinais que se apresentam na forma neutra, não havendo, portanto, nem marca para gênero (masculino e feminino) e nem para número(singular e plural). Geralmente, aparecem na frase após o substantivo que qualificam. 

Ex.: GATO PEQUENO COR BRANCO ESPERTO "O gato é pequeno, branco e esperto." A LIBRAS apresenta diferentes formas de sinalizar os numerais, a depender da situação: - cardinais: até 10, representações diferentes para quantidades e cardinais; a partir de 11 são idênticos. - ordinais: do primeiro até o nono tem a mesma forma dos cardinais, mas os ordinais possuem movimento enquanto que os cardinais não possuem.Os ordinais do 1 º ao 4 º têm movimentos para cima e para baixo e os ordinais do 5 º até o 9 º têm movimentos para os lados. A partir do numeral dez não há mais diferenças. - valores monetários, pesos e medidas: para representar valores monetários de 1 até 9, usa-se o sinal do numeral correspondente ao valor, incorporando a este o sinal VÍRGULA ou, também, após o sinal do numeral correspondente acrescenta-se o sinal de R-S " real" . Para os valores de 1.000 até 9.000 usa - se a incorporação do sinal VÍRGULA ou PONTO. Formas De Plural Há plural na LIBRAS no uso repetido de sinais ou indicando a quantidade. Exemplo: MUITO-ANO (quantidade), MUITO-ANO(duração),DOIS-DIA, TRÊSDIA, QUATRO-DIA, TODO-DIA,DOIS-SEMANA, TRÊS-SEMANA, DOIS-MÊS, ...

18 - ALFABETO MANUAL 

19 - TABELA DE CLASSIFICADORES I Cld - Classificador Descritivo Se refere ao tamanho e forma; utiliza para descrever a aparência de um objeto, isto é, a forma, o tamanho, a textura ou o desenho de um objeto. Usualmente produzido com ambas as mãos, para formas simétricas ou assimétricas. Exemplos: - a forma e o desenho de um vaso; - o desenho de papel de parede; - a altura e a largura de uma caixa; - a descrição da roupa ou dos itens que estão no corpo. (Não descreve posição ou movimento) Cl-Esp Classificador Que Especifica O Tamanho E Da Forma De Uma Parte Do Corpo A função é similar ao CL-D mas é utilizado para descrever a forma, o tamanho, e a textura de uma parte do corpo de pessoas ou animais. Exemplos: - as orelhas de um elefante; - bicos de aves diversas; - o nariz de uma pessoa; - o pêlo de um gato; - o penteado de uma pessoa; - bochechas gordas de um bebê. (Não descreve posição ou movimento). Cl-Pc Classificador De Uma Parte Do Corpo Retrata uma parte específica do corpo em uma posição determinado ou fazendo uma ação. A configuração da mão retrata a forma de uma parte do corpo. Exemplos: - a ação da boca de um hipopótamo; - as orelhas de um cavalo em movimento; - os olhos de alguém em movimento; - a cabeça de alguém repousando no seu ombro; - os dedos do pé sacudindo; - a ação de pés andando na lama; - a posição das pernas de alguém sentada em uma cadeira. (Descreve posição ou movimento). 19 - TABELA DE CLASSIFICADORES I Cld - Classificador Descritivo Se refere ao tamanho e forma; utiliza para descrever a aparência de um objeto, isto é, a forma, o tamanho, a textura ou o desenho de um objeto. Usualmente produzido com ambas as mãos, para formas simétricas ou assimétricas. Exemplos: - a forma e o desenho de um vaso; - o desenho de papel de parede; - a altura e a largura de uma caixa; - a descrição da roupa ou dos itens que estão no corpo. (Não descreve posição ou movimento) Cl-Esp Classificador Que Especifica O Tamanho E Da Forma De Uma Parte Do Corpo A função é similar ao CL-D mas é utilizado para descrever a forma, o tamanho, e a textura de uma parte do corpo de pessoas ou animais. Exemplos: - as orelhas de um elefante; - bicos de aves diversas; - o nariz de uma pessoa; - o pêlo de um gato; - o penteado de uma pessoa; - bochechas gordas de um bebê. (Não descreve posição ou movimento). Cl-Pc Classificador De Uma Parte Do Corpo Retrata uma parte específica do corpo em uma posição determinado ou fazendo uma ação. A configuração da mão retrata a forma de uma parte do corpo. Exemplos: - a ação da boca de um hipopótamo; - as orelhas de um cavalo em movimento; - os olhos de alguém em movimento; - a cabeça de alguém repousando no seu ombro; - os dedos do pé sacudindo; - a ação de pés andando na lama; - a posição das pernas de alguém sentada em uma cadeira. (Descreve posição ou movimento). Cl-L Classificador Locativo Retrata um objeto como lugar determinado em relacionamento a outro objeto. Configuração da mão pode retratar uma parte ou o objeto todo iconicamente. Exemplos: - uma prateleira onde estão copos ou livros; - o chão onde caiu um lápis; - a cabeça de alguém batida por uma bola; - o alvo onde voa uma flecha; - o gol onde entra uma bola. Cl - S Classificador Semântico Função similar ao CL-L por retratar um objeto em um lugar específico (às vezes indicando movimento). A configuração da mão retrata o objeto todo e o retrata abstratamente (muito pouco ou não se relaciona à aparência do objeto). Exemplo: - C copos na prateleira de um armário; - B veículos ou objetos planos; - I pessoas andando em uma direção determinada; - Y um avião ou objetos no lugar fixo; - V reta ou dobrada retratando a orientação do corpo ou das pernas de um animal ou de uma pessoa e/ou suas ações. Cl - I Classificador Instrumental L Esse classificador mostra como se usa alguma coisa. Exemplos: - carregando um balde pela alça; - puxando uma gaveta; - tocando a campainha da porta; - virando uma página; - limpando com um pano. (Mostra como alguém manipula um objeto) Cl - C Classificador Do Corpo A parte superior do corpo se torna o classificador na qual a parte superior (do sinalizador) "desempenha" o verbo da frase, especialmente os braços. CL-C é similar a CL-I, salvo CL-C não mostra nem a manipulação nem o toque de objetos. Exemplos: - acenando com a mão para alguém - atravessando os braços com o beiço espichado; - coçando a cabeça com perplexidade; - movendo os braços como em correr. (Não mostra a Cl-L Classificador Locativo Retrata um objeto como lugar determinado em relacionamento a outro objeto. Configuração da mão pode retratar uma parte ou o objeto todo iconicamente. Exemplos: - uma prateleira onde estão copos ou livros; - o chão onde caiu um lápis; - a cabeça de alguém batida por uma bola; - o alvo onde voa uma flecha; - o gol onde entra uma bola. Cl - S Classificador Semântico Função similar ao CL-L por retratar um objeto em um lugar específico (às vezes indicando movimento). A configuração da mão retrata o objeto todo e o retrata abstratamente (muito pouco ou não se relaciona à aparência do objeto). Exemplo: - C copos na prateleira de um armário; - B veículos ou objetos planos; - I pessoas andando em uma direção determinada; - Y um avião ou objetos no lugar fixo; - V reta ou dobrada retratando a orientação do corpo ou das pernas de um animal ou de uma pessoa e/ou suas ações. Cl - I Classificador Instrumental L Esse classificador mostra como se usa alguma coisa. Exemplos: - carregando um balde pela alça; - puxando uma gaveta; - tocando a campainha da porta; - virando uma página; - limpando com um pano. (Mostra como alguém manipula um objeto) Cl - C Classificador Do Corpo A parte superior do corpo se torna o classificador na qual a parte superior (do sinalizador) "desempenha" o verbo da frase, especialmente os braços. CL-C é similar a CL-I, salvo CL-C não mostra nem a manipulação nem o toque de objetos. Exemplos: - acenando com a mão para alguém - atravessando os braços com o beiço espichado; - coçando a cabeça com perplexidade; - movendo os braços como em correr. (Não mostra a manipulação de um objeto) Cl - P Classificador Do Plural Indica o movimento ou a posição de um número de objetos, pessoas ou animais. Pode ser um número determinado ou não-determinado. Exemplos: - três pessoas andando juntas (número determinado); - pessoas sentadas na platéia (número não-determinado); - uma fila comprida de pessoas avançando lentamente; - muitos carros estacionados na rua; - dois gatos em cima de um muro. Cl - E Classificador De Elemento Esses classificadores retratam movimentos de "elementos" ou coisas que não são sólidas, isto é, ar, fumaça, água/líquido, chuva, fogo, luz. Exemplos: - água gotejando da torneira; - luz piscando no sinal de advertência; - o movimento de um líquido no corpo ou dentro do corpo; - o vapor subindo de uma xícara de chá quente. Cl - N. Cl-Nome Esses classificadores utilizam as configurações das mãos do alfabeto manual ou os números, mas são parte de uma descrição. Exemplos: - números e nome na camisa de futebol; - um título de um livro; - insígnia em um boné; - uma sigla escrita na porta de um banco.


20 - TABELA DE CLASSIFICADORES II